Fátima Bezerra e Carlos Eduardo se acusam e discutem propostas em debate na TV

Candidatos ao Governo do Estado no segundo turno se encontraram na TV Band Natal para o primeiro debate na TV nesta fase da disputa eleitoral

Por Agora RN 19/10/2018 - 14:19 hs

Fátima Bezerra e Carlos Eduardo se acusam e discutem propostas em debate na TV
Fátima Bezerra (PT) e Carlos Eduardo Alves (PDT)

Adversários na eleição para o Governo do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT) e Carlos Eduardo Alves (PDT) trocaram acusações e discutiram propostas na noite desta quinta-feira, 18, no primeiro debate do segundo turno, organizado pela TV Band Natal. O encontro, que teve duração de quase duas horas, contou com embates diretos entre os candidatos, que fizeram perguntas entre si de temas livres e também sorteados na hora pelo jornalista Diógenes Dantas, mediador do programa.

A primeira pergunta foi feita por Fátima, que questionou Carlos Eduardo sobre o fato de ele ter vetado, enquanto prefeito de Natal, um projeto de lei aprovado na Câmara que instituía a Patrulha Maria da Penha, de combate à violência contra a mulher. “Não houve veto. É que seria uma sobreposição ao que a Prefeitura já fazia, na Casa Albergue e no Centro de Referência Elizabeth Nasser. Além disso, quando fui prefeito, a maioria do secretariado era de mulheres”, respondeu o ex-prefeito.

Carlos Eduardo foi rebatido pela adversária, que lembrou que, embora os vereadores tenham derrubado o veto e promulgado a lei, a Prefeitura ingressou com ação na Justiça para barrar a Patrulha Maria da Penha. “Se tivesse mesmo compromisso com as mulheres, não teria vetado o projeto de lei. E achou pouco e pediu a inconstitucionalidade da lei”, afirmou Fátima, que prometeu, caso eleita, melhorar o projeto, ampliar o número de delegacias especializadas no atendimento à mulher e fazer casas de acolhimento para vítimas de violência.

A segurança pública apareceu em outros momentos do debate. Como estratégia para diminuir a violência, Carlos Eduardo defendeu a redução da maioridade penal e cobrou um posicionamento de Fátima, que afirmou ser contra a medida. Os dois prometeram investimentos nas forças de segurança e disseram que vão melhorar, com destinação de mais recursos, a capacidade investigativa da Polícia Civil.

Ainda neste tema, a candidata do PT criticou Carlos Eduardo por não ter realizado concurso público para a Guarda Municipal. O ex-prefeito argumentou que o efetivo atual (de quase 500 agentes) é suficiente para manter a estrutura funcionando. Ele também destacou que, durante seus governos, a Guarda Municipal teve sua maior “conquista salarial”, saindo de um salário mínimo para cerca de R$ 1,8 mil.

“Tem uma lei que estabelece que Natal deveria ter, no mínimo, 1,5 mil guardas. A lei também instituiu seguro de vida, que ele não instituiu até hoje”, refutou Fátima, que garantiu aos agentes de segurança do Estado “melhorar as diárias operacionais, avançar no plano de carreira, criar seguro de vida e dar regularidade nos instrumentos básicos de proteção”.

Um dos momentos mais tensos do debate foi quando os candidatos levantaram o tema “corrupção”. Carlos Eduardo listou escândalos ocorridos durante os governos do PT, como o Mensalão e o “Petrolão”, e sugeriu que a adversária fizesse uma autocrítica. Fátima reconheceu que seu partido “cometeu erros”, mas salientou que “foram os governos do PT que mais contribuíram para o combate à corrupção, respeitando a autonomia do Ministério Público e da Polícia Federal” e criando dispositivos como a Lei da Ficha Limpa, a regulamentação da delação premiada e a instituição do Portal da Transparência na gestão pública.

“Quem chegou ao governo com a bandeira da ética foi o PT, mas o que a gente viu foi o escândalo do Mensalão sequenciado pelo do Petrolão. Dois ex-tesoureiros estão presos, já sentenciados. O PT frustrou a nação brasileira e nunca fez autocrítica. Não foi o PT que moralizou coisa nenhuma. Foi o Ministério Público e a Polícia Federal, com apoio da população, que estão fazendo uma campanha surpreendente no combate à corrupção”, destacou Carlos Eduardo.

Em tréplica, Fátima acusou o adversário de “hipocrisia” e apresentou um estudo que aponta que o partido com mais parlamentares cassados por envolvimento com corrupção é o MDB, que integra a coligação do adversário. “Eu não gostaria de trazer aqui, mas vou ter de trazer. Fica falando de corrupção… O primo dele [ex-ministro Henrique Eduardo Alves] passou não sei quantos meses preso. Continua preso, em domiciliar. Inclusive, é o coordenador de fato da campanha dele. A própria coligação, que sofreu uma derrota dura no primeiro turno, tem vários integrantes respondendo por corrupção”, assinalou.

EDUCAÇÃO
Na área da educação, Carlos Eduardo criticou os governos federais do PT por supostamente não dar o apoio necessário às prefeituras e governos estaduais na promoção da educação nos níveis fundamental e médio. “Nos últimos 15, 20 anos, cresceu muito mais a matrícula na escola privada do que na escola pública”, pontuou o candidato do PDT.

A senadora Fátima, por sua vez, destacou avanços na área promovidos pelos governos dos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff, como a expansão do ensino profissionalizante. “Fui relatora do Fundeb, o que garantiu o Pró-Infância e o piso nacional do magistério. Fizemos uma revolução do saber, trazendo 19 IFRNs para o Estado. Os estudantes sabem do papel decisivo que eu tive para trazer um por um. Educação é nossa prioridade”, salientou.

A candidata do PT disse que, se eleita, vai recuperar o Plano Estadual de Educação, construir creches e transformar 50% da rede estadual em escolas com ensino em tempo integral. Além disso, ela prometeu aliar o ensino médio ao ensino técnico, valorizar o magistério e fortalecer a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (Uern).

AJUSTE FISCAL
Carlos Eduardo se comprometeu a implementar, entre suas primeiras medidas enquanto governador, um ajuste nas contas do Estado. Ele criticou o atraso de salários promovido pela gestão do governador Robinson Faria (PSD) e disse que vai solucionar este problema.

“As primeiras medidas têm que ser para buscar equilíbrio entre orçamento e despesa. Vamos racionalizar os gastos do Estado, sem demissões e aumento da carga tributária. Vamos combater também a sonegação, cobrando a dívida ativa”, destacou o pedetista.

A adversária ironizou a proposta ao registrar que Carlos Eduardo deixou um déficit de cerca de R$ 32 milhões nas contas do NatalPrev, o instituto de previdência dos servidores municipais. “Descontou dos servidores e não repassou ao NatalPrev. E é reincidente, pois já havia sacado R$ 22 milhões sem autorização da Câmara. E ainda vai posar aqui de gestor”, criticou, ao garantir que fará boa gestão dos recursos do fundo previdenciário estadual e irá adotar medidas para sanear as contas do Estado.

SAÚDE
Fátima Bezerra assegurou que vai aprimorar o atendimento nos hospitais regionais do Rio Grande do Norte e criar uma rede de policlínicas, para oferecer à população consultas com especialistas. Ela também prometeu regularizar a distribuição de medicamentos e afirmou que vai fazer parcerias com as prefeituras para melhorar a atenção básica.

Carlos Eduardo, por sua vez, afirmou que fará pelo Estado o que fez na Prefeitura do Natal ao longo de seus quatro mandatos. Ele listou a reforma de 53 unidades básicas de saúde e construção de 9 novas unidades. “Além disso, fizemos 3 UPAs, que estão atendendo à população. Fizemos também o Hospital Municipal. Quando a obrigação era de 15%, investimentos 27% [da receita]”, emendou.

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO
A candidata do PT, Fátima Bezerra, criticou o fato de Natal não ter uma lei destinada ao fomento dos micro e pequenos negócios e garantiu que o Estado terá tal dispositivo em sua eventual gestão enquanto governadora. Ela também se comprometeu a manter os incentivos fiscais previstos no Proadi, programa que estímulo à industrialização, e falou que vai levar o programa para pequenos empreendedores.

Candidato do PDT, Carlos Eduardo destacou a criação, durante sua passagem na Prefeitura do Natal, do Parque Tecnológico, que dá incentivos para a instalação de empresas na área de tecnologia. “Para a nossa satisfação, temos 25 empresas novas, que já geraram 400 empregos. Vamos fazer parcerias públic0-privadas e buscar soluções para os negócios e também combater a burocracia”, finalizou.

INFRAESTRUTURA
Na área da infraestrutura, Carlos Eduardo afirmou que vai cobrar a conclusão das obras de transposição do Rio São Francisco e da barragem de Oiticica, em Jucurutu, além de investir em estradas da produção.

Já Fátima prometeu investimentos no turismo, com a recuperação e construção de novos acessos rodoviários e investimento na infraestrutura das praias. “Me dá uma tristeza tão grande ver cartões-postais como Ponta Negra abandonados, malcuidados e maltratados. A Redinha sequer banheiro dispõe. Um dos carros-chefe será promover o turismo”, afirmou.

A petista também prometeu criar um “ambiente favorável” aos negócios e lutar por mais investimentos da Petrobras no Estado, além de incentivar a fruticultura e a indústria salineira.